DOAÇÕES E CAMPANHAS SOCIAIS SOMAR PARA DIMINUIR

DOAÇÕES E CAMPANHAS SOCIAIS SOMAR PARA DIMINUIR
A doação de alimentos é, talvez, uma das melhores ações sociais que podemos fazer em qualquer época do ano e a ASSOCIAÇÃO SOMAR PARA DIMINUIR tem o compromisso de não levar apenas mais um sopão para a população em situação de rua, e sim, uma forma de ajudar o próximo. A sua doação é sempre bem vinda. Esse ano teremos muitas novidades!! As instituições parceiras vão estar com suas barraquinhas. Durante o período de 21 de maio até 31 de agosto de 2017, estaremos realizando a CAMPANHA SOU SOLIDÁRIO, e com a ajuda de vocês, das redes sociais, estamos arrecadando doações. O que doar: agasalhos, cobertores, roupas para crianças, adolescentes, mulheres e homens, alimentos não perecíveis, brinquedos, cadeiras de rodas, material de limpeza e higiene pessoal, leite em pó, utensílios domésticos, que vai ajudar a proporcionar um benefício a algumas instituições parceiras do Projeto somar para diminuir, para mais de 150 famílias de pelo menos algumas instituições assistidas. Para contribuir é simples! POSTO AUTORIZADO: IEQ VÍTOR ALVES - Rua Vítor Alves, 414 - Campo Grande - RJ INFORMAÇÕES: ZAP 21 99943 9537 PÁGINA OFICIAL: https://www.facebook.com/associacaosomarparadiminuir/

domingo, 28 de outubro de 2012

Mensagem Lançando a Rede... por Graciano Caseiro



(Lucas 5:2-5) - E, entrando num dos barcos, que era o de Simão, pediu-lhe que o afastasse um pouco da terra; e, assentando-se, ensinava do barco a multidão. E, quando acabou de falar, disse a Simão: Faze-te ao mar alto, e lançai as vossas redes para pescar. E, respondendo Simão, disse-lhe: Mestre, havendo trabalhado toda a noite, nada apanhamos; mas, sobre a tua palavra, lançarei a rede.
A mensagem fala sobre alguns pescadores que durante toda a noite trabalharam, mas não tiveram êxito. Certamente exaustos, lavavam as redes para ir embora. Naquele momento que parecia ser o fim de um trabalho cansativo e sem resultados, Jesus chegou, entrou no barco e pediu que o afastasse um pouco da terra para poder ensinar a multidão.
A bíblia não relata quanto tempo Jesus levou ensinando a multidão, mas naquele barco estava Simão, cansado e possivelmente triste por não ter tido uma noite de trabalho bem sucedida, que também estava escutando a palavra.
Quando Jesus acabou de falar, chegou à vez de Simão. Jesus não perguntou como ele estava muito menos como foi à noite anterior, apenas disse: Faze-te ao mar alto, e lançai as vossas redes para pescar.
E Simão declarou: Mestre, havendo trabalhado toda a noite, nada apanhamos; mas, sobre a tua palavra, lançarei a rede.
Após uma noite de trabalho frustrada, de esforços sem resultados, ao ouvir a voz de Jesus, Simão não colocou aquela situação como desculpa para não avançar. Ele deixa claro em sua resposta que a partir dali faria pela fé, crendo na palavra de Deus, independente do que já tinha acontecido.
E, fazendo assim, colheram uma grande quantidade de peixes, e rompia-se-lhes a rede.

Talvez você esteja vivendo uma situação semelhante a esta que está no texto. Em todo esse tempo, por mais que você lute se esforce você não tem visto os resultados, e por isso está cansado, desanimado...
Veja no texto bíblico que após Jesus ensinar à multidão, chegou à vez de Simão.
Esse momento que parece ser o mais difícil da sua vida, pode ser a sua maior oportunidade de ser vitorioso (a). Sobre a palavra de Jesus, lance a sua rede! Creia que chegou a sua vez. Esse é o momento certo para viver um novo tempo.
Se levante nesse momento, ouça a voz do Senhor Jesus e tome atitudes de fé. Entregue sua vida a Jesus agora e deixe-o ser o seu guia, o seu refúgio, a sua fortaleza.
Provai e vede que o Senhor é bom, feliz é o homem que Nele confia. Salmo 34:8

Que tarefa seria mais sublime do que utilizar a Lei de Deus para levar os pecadores ao arrependimento? Para conhecer o método bíblico do testemunho pessoal vamos trazer alguns conselhos práticos á igreja. Nosso alvo é sermos como Cristo.
No Livro de 2 Timóteo encontramos nos capítulos e seus versículos algo interessante e que é para toda boa obra:
1. 2 - Graça, misericórdia e Paz;
1. 7 - Poder, Amor e Moderação;
1. 11 - Pregador, Apóstolo e Mestre;
2. 4, 5 e 6 - Soldado, Atleta e Lavrador;
2. 11, 12 e 13 - Morrer, Perseverar e ser Fiel;
2. 20 - Vasos de ouro, prata, madeira e barro;
2.22 - Justiça, Fé, Amor e Paz;
3. 10 e 11 - Ensino, procedimento, propósito, fé, longanimidade, amor, perseverança, perseguições;
3. 17 - perfeito e perfeitamente habilitado para a boa obra;
4.1 - Conjuro-te perante Deus e Cristo;
4.2 - Prega, insta, corrige, repreende e exorta;

INTRODUÇÃO
Quando Paulo escreve a carta para Timóteo, estava provavelmente preso em Roma, entende que chegará o final do seu ministério, sua partida estava próxima de forma que sua visão de mundo era global, apurada, experiente. Ao enviar conselhos ao amigo, que considerava como filho, pois compartilharam muitas viagens missionárias juntas, muitas tribulações e muitas bênçãos, o Apóstolo Paulo procura preparar Timóteo para novos desafios que ele enfrentaria como Pastor. Creio firmemente que todo aquele que aspira ao ministério deveria ter esta carta como livro de cabeceira, o que pretendemos aqui é expor como o Cosmo visão.
O que é Cosmo visão?
Todo ser humano possui um cosmo visão. Talvez você já tenha lido esta palavra em algum lugar ou mesmo ouvida algo sobre o assunto, mas não tem a menor ideia do significado deste termo. Mas saiba que mesmo assim, mesmo sem saber o que é isso, você possui um cosmo visão. Aquilo que cada pessoa é, o que defende, o que vive, é resultado do cosmo visão que permeia sua vida.
Em nosso caso específico, vivemos de acordo com o Cosmo visão Cristã. Paulo é relevante aos dias de hoje e como sua carta pode ser lida na igreja atual, pois sua mensagem é atualíssima.
Paulo tinha em mente formar em Timóteo um crente segundo Cristo, não segundo a teologia A ou B, não segundo Paulo, Sócrates ou outro mestre por mais renomado que fosse assim sua mensagem á igreja de hoje tem o mesmo enfoque, formar crentes segundo Cristo.

Vamos ao texto que se encontra em II Timóteo 3:16 -17;
 “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.” II Timóteo 3:16 -17;

Após aceitar o Senhor Jesus Cristo como Senhor e Salvador é natural que o crente se faça a pergunta: “E agora? Como faço para servir e agradar aquele que deu Sua vida por mim?”.
Com toda a sinceridade e desejo o cristão verdadeiro professará com franqueza sua lealdade ao Senhor. Embora esforçado, não demorará em admitir que seu zelo não produzisse necessariamente os resultados esperados. O que acontece? Falta de vontade?
Claro que não. O que falta é competência para servir ao Senhor.
Para realizar o serviço do Senhor, Deus requer que sejamos “perfeitos” para a obra a que nos propomos; que estejamos “habilitados” para tal feito.

Um exemplo é a exigência estabelecida para quem deseja servir como bispo: “Se alguém aspira ao episcopado, excelente obra deseja. É necessário, porém, que...” I Timóteo 3:1-2. Não basta querer, tem que estar qualificado, preparado, treinado para o serviço. E o que nos adestra para a obra? Certamente é a palavra de Deus. Como II Timóteo 3:16 nos diz: “Toda a escritura é útil” para esse fim. E ela age como mestre no processo de instrução de seus discípulos.
Avalie a dinâmica da educação para a perfeição:
Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino.
O primeiro passo é o ensino. Ensinar é o que a palavra de Deus faz. Mostra-nos o que agrada e o que desagrada a Deus. Mas não é aqui que a maior parte do tempo e todos os esforços estão concentrados.
Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para a repreensão.
Este é o estágio do processo de capacitação onde recebemos um “puxão de orelha” de nosso Senhor.
Aqui somos censurados por desviar-nos do ensino recebido e admoestados por nossos erros.
Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para a correção.
Nesta parte o processo de instrução normalmente empaca. É o ponto onde a metodologia de ensino divina se atrela a um duradouro ciclo de “retrocesso e avanço”, “repreende”. , corrige, repreende, corrige, repreende, corrige. Ufa!
Até que se confirma a afirmativa divina de que:
Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para a educação na justiça. Deste modo é que o homem de Deus, por Deus é feito “perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.”.

"Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra." (2 Timóteo 3:16-17).

Dentro de uma abordagem prática e sincera, podemos dividir as pessoas em dois grupos no que tange à Bíblia: temos aqueles que creem em sua inspiração divina (dentre os quais não me envergonho de estar incluso) e temos também os que abominam tal ideia.
Obviamente, dispomos de um arsenal de argumentações para contrapor o pensamento cético, contudo o foco desse presente artigo é voltado para aqueles que se assumem como cristãos, tendo por tanto minimamente, um teórico apreço pelas Escrituras.

Toda Escritura é inspirada por Deus.
Essa é uma verdade que se expressa em milhões de púlpitos mundo a fora, mas que esbarra na praticidade redutiva do interesse pessoal humano. Ou seja, o denominacionalismo cria seu próprio código de preferências bíblicas, com um direcionamento conveniente às concepções pessoais de seus pioneiros e em detrimento de um vasto conteúdo desfavorável e que em geral fica no obscurantismo do esquecimento ou mesmo na vala comum da má interpretação. Diante disso, é importante esclarecer que toda a Bíblia é inspirada por Deus, inclusive naquilo que alguns gostariam que lá não estivesse ou mesmo nas expressões espertamente taxadas como “contexto cultural da época”. Aceitar a Bíblia de forma parcial é algo profundamente pior que a postura dos céticos declarados, uma vez que agride a própria imagem da Igreja, a quem se credita a guarda inegociável da veracidade plena de todo o conteúdo bíblico.

É útil para o ensino.
A Bíblia não é um amuleto de sorte, não é um acessório indumentário do tradicionalismo cristão. Igualmente não é instrumento mágico e nem respaldo esotérico. A Bíblia é a plena e perfeita revelação de Deus ao homem. Sua existência inviabiliza “meios alternativos de contato com Deus”, pois tudo quanto quis o Altíssimo nos comunicar, nela se insere.
Levando isso em conta, convém aqui um alerta para que se tenha absoluto cuidado com as chamadas “revelações espirituais”, dos quais invariavelmente nascem às heresias e que não são pela própria Bíblia indicadas como fonte segura de credibilidade cristã. Convém também salientar a necessidade de exaustivo exame bíblico na vida diária todo cristão, tanto no contexto do culto coletivo, quanto na vivência doméstica, uma vez que sendo útil para o nosso ensino, é ela a mais segura fonte e regra de fé e prática para todos nós.

É útil para a repreensão.
O desenvolvimento humano engloba diversos fatores indispensáveis e um deles chama-se disciplina. Todo processo evolutivo tende a necessitar dos ajustes que a lida vier a exigir e nos bem sucedidos frutos que esses ajustes produzirem avista-se os traços da maturidade. Com o cristão não é diferente. Suas fases de desenvolvimento evidentemente trarão equívocos localizados. Alguns serão de ordem moral, outros de caráter exegético e alguns de gravidade teológica. Ambos são amplamente tratados pelas Escrituras e cabe apenas a elas – e não a tradição dos homens e suas religiões – a devida autoridade para encabeçar esse processo.

É útil para a correção.
Obviamente ao repreender, o propósito da Palavra de Deus é nos corrigir. Isso faz com que todo o processo valha a pena e mereça o amparo de nossa fé. A finalidade da correção bíblica é promover o melhor encaminhamento para a mordomia cristã, gerando no coração renascido a maturidade e a experiência necessárias para que ele não somente produza bons frutos, como também para que possa ajudar seu irmão fragilizado, tendo por base seu próprio histórico de restauração pessoal. A Palavra de Deus não visa massacrar a autoestima daqueles que erra, tal como fazem algumas denominações, que humilham seus fiéis de forma pública, obrigando-os a fazerem confissões vexatórias e deprimentes diante de uma plateia nem sempre preparada e com autoridade para tal. Outros ambientes não chegam a esse extremo, porém ainda que de forma velada, usam de processos disciplinares que sugam a força e a alegria daqueles que tombaram no caminho. Nenhuma dessas ações possui respaldo bíblico, posto que a Palavra corrige de forma amorosa, ainda que sincera, mas sempre com o foco na continuidade fortalecida daqueles que eventualmente caiu.

É útil para a educação na justiça.
Justiça pode ser entendida nos níveis humano e celestial. Certamente a Bíblia não é um produto jurídico que se atém às jurisprudências humanas. Sendo assim, entendamos que a justiça falada aqui diz respeito ao Reino de Deus.
As Escrituras podem e devem o instrumento devido para que se lance luz nas mentes e corações acerca dos mistérios, promessas, planos e propósitos de Deus, tanto para Sua Igreja, quanto para o gênero humano de uma forma geral. As chamadas “fontes alternativas” de conhecimento, ainda que possuindo o seu louvor e a sua vantagem localizada, jamais poderá suplantar a grandeza bíblica, que não somente aponta o melhor horizonte, como o faz nascer dentro de nós.
 Para que o homem seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.

Não há cristianismo sem Bíblia.
Não importa a beleza de uma harmoniosa voz que canta, não interessa a eloquência do orador, pouco vale os calos nos joelhos do intercessor incessante, nada adiantam os sacrifícios do evangelista entusiasta e nenhuma riqueza constitui as grandes realizações em nome de fé – se tudo isso não for solidamente fundamentado nas Escrituras. As obras têm o seu valor no contexto cristão, mas são insuficientes nas repercussões eternas, onde só é possível chegar aquele e aquela que mantiver viva nos passos de sua alma a luz encaminhadora da Palavra de Deus.

 Um recado para os inovadores da fé.
Grande é o interesse do inimigo de nossas almas pelo enfraquecimento do valor bíblico no seio cristão. Ao longo da história, a Bíblia foi alvo do ataque, da fúria e da oposição de muitos funcionários do inferno, movidos por essa mesma energia adversária que bem sabe a importância das Escrituras para a consolidação do Reino de Deus aqui na Terra.  Em dias modernos a Bíblica tem sido esquecida por aqueles que transformaram a igreja num grande palco de festas e fraudada por outros tantos que a utilizam de forma distorcida, mística e tresloucada, visando achar endosso para seus delírios heréticos e tirando proveito do pouco conhecimento daqueles que lhes ouvem.
Deus nos ajude a mantermos o respeito, a devoção e a vivência prática, de forma humilde, submissa e irrestrita das Sagradas Escrituras. E que nos ajude também a manter diária alimentação de Seus princípios, para que assim possamos seguir acertadamente rumo ao céu quer nos aguarda.
“São muitas, Senhor, Deus meu, as maravilhas que tens operado e também os teus desígnios para conosco; ninguém a que se possa igualar contigo. Eu quisera anunciá-los e deles falar, mas são mais do que se pode contar”. Salmo 40.5

INCONTÁVEIS MARAVILHAS
Deus tem preparado as incontáveis maravilhas que Ele tem para nós. Seria muito difícil enumerá-las todas, nem neste espaço ou num grande livro, poderíamos contá-las. No entanto estamos sempre nos esquecendo delas, lembrando em seu lugar os problemas, os tropeços da vida, as faltas e dificuldades que enfrentamos.
Com essa atitude insensata terminamos por ficarmos cegos, insensíveis às manifestações do Amor enorme de Deus para conosco. Isso acontece porque é mais fácil olhar as circunstâncias pela tendência humana, que é a de ver primeiro o feio e defeituoso, depois o bonito e atraente, sobretudo nas demais pessoas.
Contudo, como Homens que temem a Deus, temos o dever de enxergar segundo a visão que Deus tem de nós, dos outros, e das situações.
E isso só é conseguido pela fé, jamais pelos olhos da carne.
Seria um homem "como jumento selvagem... e a mão de todos contra ele, e ele viverá em hostilidade contra todos os seus irmãos". Quase sempre "fazemos as coisas erradas, pensamos nas coisas erradas, e todos os nossos esforços para lidar com o erro estão, em si mesmos, corrompidos pelo erro".
Quando viramos as costas para Deus, qualquer direção que tomamos está errada.

A história revela o destino dos apóstolos:
Filipe: Apedrejado até à morte, na Frígia, no ano 54.
Barnabé: Queimado em Chipre, no ano 64.
Pedro: Crucificado em Roma, no ano 69.
Paulo: Decapitado em Roma, no ano 69.
André: Crucificado na Acaia, no ano 70.
Mateus: Decapitado na Etiópia, no ano 70.
Lucas: Enforcado na Grécia, no ano 93.
Tomé: Atingido por lança em Calamino, no ano 70.
Marcos: Arrastado até a morte em Alexandria, no ano 64.
Tiago (o menor): Morto a pauladas em Jerusalém, no ano 63.
João: Desterrado e deixado na Ilha de Patmos, no ano 63.
"O céu é o meu trono, e a terra, o estrado dos meus pés. Que espécie de casa vocês me edificarão? diz o Senhor, ou, onde seria meu lugar de descanso?
Não foram as minhas mãos que fizeram todas estas coisas?"
Vocês podem até nos matar, mas jamais poderão nos causar algum dano real".
"Deus pôs você no lugar onde não pôs nenhuma outra pessoa. No mundo, nenhuma outra pessoa tem o círculo de amizades que você tem. Ninguém vai estar na fila do mercadinho no mesmo momento em que você estiver. Ninguém mais cruzará com um diplomata faminto no deserto no mesmo instante que você. Deus não o colocou nesses lugares meramente para modelar a verdade. “Preste mais atenção aos estranhos na rua e perceba as oportunidades de ir para onde Ele o enviar”.

GRITO HUMILDE
“Das profundezas clamo a ti, Senhor; Ouve Senhor, a minha voz! Estejam atentos os teus ouvidos às minhas súplicas! Se tu, Soberano Senhor, registrasses os pecados, quem escaparia? Mas contigo está o perdão para que sejas temido.” Salmo 130.1-4.

Eis a expressão da verdadeira contrição: um grito humilde a Deus suplicando misericórdia. Quem obtém a misericórdia da cruz e conhece o preço da redenção viverá sua vida no temor do Senhor, sabendo que não foi salvo por ouro nem prata, mas pelo sangue precioso de Jesus.

“Uma vez que vocês chamam Pai aquele que julga imparcialmente as obras de cada um, porte-se com temor durante a jornada terrena de vocês. Pois vocês sabem que não foi por meio de coisas perecíveis como prata ou ouro que vocês foram redimidos da sua maneira vazia de viver, transmitida por seus antepassados, mas pelo precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro sem mancha e sem defeito”...

Por Graciano Caseiro - gracianocaseiroproducoes@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário