Jogador Demétrio - Ex-jogador da Seleção Brasileira e do Botafogo do Rio




Demétrio é o “CRAQUE DA BOLA”

Demétrio Coelho Filho, o Demétrio, nasceu no Rio de Janeiro em 28 de novembro. Começou sua carreira aos 9 anos de idade no Campo Grande A.C. Com 15 anos, já defendia o time profissional. Passou por diversas seleções de base do Brasil, e teve a glória de conquistar um título mundial de juniores com a camisa amarela. Defendeu também Botafogo-RJ, América-RJ, Operário-MS, Sobradinho, Cestal (Espanha), América de Rio Preto, Mogi Mirim, Botafogo (Ribeirão Preto), Santa Cruz e Noroeste de Bauru, onde parou em 1993 aos 30 anos. Casado e pai de dois filhos, é proprietário, junto com o pai, de uma empresa de reciclagem no Rio de Janeiro. Nos finais de semana, ainda bate a sua bola no time de veteranos do Botafogo carioca. "Jogador não pode viver de ilusão. Ainda bem que investi na minha carreira fora dos campos na hora certa. Sou muito feliz com o que faço e fico triste quando vejo antigos companheiros esquecidos".

Demétrio recorda o ano de 1983, em que despontou para a mídia na seleção brasileira de juniores, que conquistou dois títulos importantes: o sul-americano da Bolívia, e o Mundial do México. A vida de Demétrio mudou quando se transferiu para o Cestal, de Bilbao, time espanhol que defendeu por duas temporadas. Mesmo assim, no fundo do baú ainda é possível encontrar casos que só o futebol é capaz de proporcionar. “Que os jovens tenham uma formação em seu caráter, de humildade social e que no futuro se formem em cidadãos do bem”. Lendo a coluna Craque da Bola, percebeu a mensagem do qual o seu amigo Nei Barros direcionou se prontificando a participar do Projeto Craque da Bola, vendo a seriedade do trabalho que os mesmos fazem, dando oportunidade real da integração do jovem no esporte e na sociedade. Recordando Demétrio faz uma pausa para falar do passado. Recorda o ano de 1983, em que despontou para a mídia na seleção brasileira de juniores, que conquistou dois títulos importantes: o sul-americano da Bolívia, em que foi titular, e o Mundial do México, em que amargou a reserva de Dunga logo após a estréia. Não guarda mágoa de nada, muito menos de alguém. Mas faz uma consideração ao ser questionado por que não explodiu como tantos outros que estavam naquele time, como o próprio Dunga, o meia Geovani, e os atacantes Mauricinho e Bebeto. "Ao contrário de gente que tinha empresário forte, quem cuidava da minha carreira e da renovação dos contratos era o meu pai. Talvez por isso, mesmo jogando bem, permaneci no Botafogo por muito tempo, embora tenha sido emprestado algumas vezes pelo clube. Não foram raras as vezes em que vi jogadores ligados a empresários fortes chegando e, mesmo sem tanta capacidade, entrando no time imediatamente". A vida de Demétrio mudou quando se transferiu para o Cestal, de Bilbao, time espanhol que defendeu por duas temporadas. "Alcancei a estabilidade financeira que buscava". A retornar ao Brasil, seguiu com a bola em clubes médios e pequenos até parar definitivamente. "Cansei daquele mesmisse de assinar contratos curtos, com seis meses de duração no máximo. Como já tinha um certo suporte, resolvi investir na fábrica do meu pai e seguir outro rumo". Mesmo assim, no fundo do baú ainda é possível encontrar casos que só o futebol é capaz de proporcionar. Um deles aconteceu após a vitória brasileira por 1 a 0 sobre a Argentina, na decisão do Mundial de Juniores de 83. "Quando chegamos ao hotel após a partida, estávamos tão felizes que não medimos alguns de nossos atos. Da janela do quarto, eu e o Geovani começamos a atirar várias peças do uniforme da seleção, agasalhos, camisas e shorts. O povo, na calçada, delirava. No entanto, de repente o Geovani se lembrou que dentro de uma das calças lançadas para baixo estava guardado um cordão de ouro. Mas aí, já era tarde".

***BATE PAPO***

FALE DO INÍCIO DA SUA CARREIRA ESPORTIVA?

Demétrio – Comecei no Campo Grande A. C. aos nove anos com o professor Eli, irmão do Jogador de Basquete Algodão, foi aonde tive a formação do aprendizado de bater na bola, deixava a gente livre, e colocava sempre no time o pessoal com técnica, com 15 anos, já jogava no time profissional do Campo Grande A.C. Na época o treinador, Décio Esteves (in memorian). Hoje tenho a experiência de uma boa base, e por isso hoje apoio um trabalho sério do Professor NEI BARROS, do projeto Craque da Bola.

CITE O NOME DE ALGUNS AMIGOS DAQUELA ÉPOCA? Demétrio – Marquinho (Craque do Pão); Miguel Caquinho; Lúcio (Goleiro); Dedei Artilheiro(in-memorian); O Seis e Meia (Caíca, Maurício, Pitu, Márcio Chianca, Tom, Teteo, os metralha e outros;

DEMÉTRIO, CITE PARA OS INTERNAUTAS ALGUNS CRAQUES DA BOLA NA ZONA OESTE? Demétrio – Marquinho, Dedei, Rogerinho, Zinho, Cacu, Mendonça, Dodô, Luiz Cláudio, Nei Barros, Fidélis, André Silva, Moacyr, Sanches, Serginho, Brandãozinho, Tiquinho, Guga, Almir, Arthurzinho, Luiz Cláudio (centroavante), Fabrício Carvalho, Padão, Mozer, Pimentel, Cássio, Dedé, Wellington Monteiro.

QUEM VOCÊ TEM COMO CRAQUE DO FUTEBOL BRASILEIRO EM TODOS OS TEMPOS? Demétrio - Pelé, não tem comparação.

QUAL SERIA A SELEÇÃO DE TODOS OS TEMPOS? Demétrio - Seleção Brasileira de 1970, Tri-campeã.

COMO É VOLTAR AOS GRAMADOS NO MASTER DO BOTAFOGO? FALE PARA NÓS SOBRE O MASTER DO BOTAFOGO? Demétrio - Hoje para mim é uma terapia, rever os amigos, participando com o Mendonça, Hamilton, Nilson Dias, Josemar, Helinho, Vagner Pepe, Jerson, Edson, e outros, uma felicidade de poder jogar novamente, um futebol arte. Agradecendo ao treinador marcos falcon, pela visão de coletividade e com a preocupação de reunir os ex-jogadores dando uma postura de atleta cidadão.

QUE DIFICULDADES ENFRENTAM OS EX-JOGADORES QUANDO EM FINAL DE CARREIRA? COMO MUDAR ESSA SITUAÇÃO? Demétrio – Por ser uma profissão de glamorosa e no encerramento da mesma é que deparamos com uma nova realidade do mercado de trabalho altamente competitivo, temos a necessidade do conhecimento profissional geralmente o atleta quando no auge de sua profissão, não se preocupa em obter uma formação, porque acha que esse glamour não vai acabar.

CITE ALGUMA INSTITUIÇÃO QUE VOCÊ CONHEÇA DE DESTAQUE NO LADO SOCIAL? NA ZONA OESTE? Demétrio - O Rotary Club de Campo Grande, do qual o Sr. Demétrio, meu pai participa e também o Lions Club de Campo Grande, que ajuda ao próximo.

QUAL SUA OPINIÃO SOBRE O PROJETO CRAQUE DA BOLA? Demétrio – Lendo a coluna Craque da Bola, percebi a mensagem do qual o meu amigo Nei Barros direcionou. E logo me prontifiquei a participar do Projeto Craque da Bola, com a seriedade do trabalho que os mesmos se prontificam a fazer, dando oportunidade real da integração do jovem no esporte e na sociedade.

PALAVRAS FINAIS DE CONSIDERAÇÕES?

Demétrio - A Deus, aos meus Pais, a minha Esposa e filhos, ao amigo Nei Barros (Projeto Craque da Bola), e aos jogadores que participam no master do Botafogo F.R. ao BLOG do Locutor e Amigo Graciano Caseiro que me concedeu à oportunidade de recordar o passado, como também o meu presente. A minha mensagem para os leitores é: “Que os jovens tenham uma formação em seu caráter, de humildade social e que no futuro se formem em cidadãos do bem”.

NOME: Demétrio Coelho Filho, o Demétrio.

POSIÇÃO: Demétrio (ex-volante – meio campo).

CLUBES: Campo Grande AC, Botafogo-RJ, América-RJ, Operário-MS, Sobradinho, Cestal (Espanha), América de Rio Preto, Mogi Mirim, Botafogo (Ribeirão Preto), Santa Cruz e Noroeste de Bauru.

TÍTULOS: Campeão Sul americano e Mundial - 1983 (Seleção Brasileira); Campeão da Costa Rica – 1987 (Botafogo F.R.);

Para entrar em contato com Demétrio, envie e-mail: recipelfer@yahoo.com.br

***GRACIANO CASEIRO*** Colunista, Divulgador e Comunicador.

Tel: 21-3394 4619 / 9945 2606

e-mail: gracianocaseiroproducoes@gmail.com projetocraquedabola@gmail.com

BLOG: www.gracianocaseiro.blogspot.com/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUAL O PAPEL DOS TALENTOS NAS ARTES E PELA CULTURA REGIONAL

Atitudes Vencedoras Para Crescer Na Sua Arte

Graciano Caseiro Entrevista Celebridades Som Gospel Brasileiro